Moeda RARA Maiorina de Julian II, Antioquia, 361-363 dC
  • Moeda RARA Maiorina de Julian II, Antioquia, 361-363 dC

    R$2,950.00Preço

    Em breve disponível! (previsão: R$ 2950,00 mais frete) – Peça disponível apenas em pré-reserva, consulte sobre disponibilidade e preço!!

    Moeda RARA Maiorina de Julian II, Antioquia, 361-363 dC

    Anverso: D N FL CL IVLIANVS P F AVG, busto diademado, perolado e drapeado à direita.

    Reverso: SECVRITAS REIPVB, touro em pé à direita, duas estrelas acima; (palma) ANTB (palma) no enxergo.

    RIC 216; LRBC 2640.

    Dimensões: 7,58g, 27mm

    Refc9240

     

    O reverso desta moeda apresenta com destaque um touro posicionado sob duas estrelas e a legenda SECVRITAS REIPVB (Segurança do Estado). Essas moedas de touro de Juliano são particularmente famosas por uma razão importante ... de uma maneira que é mais incomum para moedas antigas, é referenciada pelo próprio imperador. No Misopogon Juliano expressa seu descontentamento com o povo de Antioquia porque o insultaram "pelos brasões em suas moedas". Ele, frustrantemente, não nos diz por quê. Historiadores, escritores e numismatas, antigos e modernos, têm proposto significados para a iconografia da moeda e por que ela deveria ser tão ofensiva para o povo de Antioquia desde então.

    A teoria mais antiga registrada foi proposta no ano da morte de Juliano em 363 dC por Efraém de Nisibis. A história por trás da afirmação é interessante. Depois que Juliano foi morto em sua invasão fracassada da Pérsia, seu sucessor Joviano foi forçado a render Nisibis para salvar os remanescentes do Exército Romano. Efraém nos conta que ele realmente viu o corpo do imperador deitado em estado de exibição em frente ao portão da cidade enquanto a bandeira dos persas balançava na brisa acima. Ele foi inspirado por este evento a escrever seus Hinos contra Juliano nos quais ele menciona as moedas.

    De acordo com Efraém, as moedas são evidências de uma conspiração contra o Cristianismo pelos pagãos e judeus e que "em suas moedas eles viam o touro como uma ignomínia ... naquele touro eles viram seu próprio bezerro ... e eles se alegraram por terem sido restaurados os bezerros de Jeroboão"

    A versão resumida da história bíblica é a de que o Bezerro de Ouro foi concebido pelos israelitas enquanto Moisés recebia os 10 mandamentos porque eles haviam perdido a fé. O Bezerro de Ouro surge novamente na história de como o Rei Jeroboão tentou impedir que o povo do Reino de Israel do norte se sacrificasse em Jerusalém por medo de se rebelar e, assim, estabelecer o Bezerro de Ouro para adoração em duas cidades do norte.

    Outra interpretação considera que as moedas de Juliano fazem referência a uma cena de sacrifício com o touro. A primeira menção a essa teoria está nas histórias da igreja de Sócrates e Sozomen (com o último contando fortemente com o relato do primeiro). No entanto, esses relatos foram escritos até 75 anos após a morte de Julian e cometem um erro crítico em apoio à sua opinião. Sócrates afirma que o reverso apresenta um touro e um altar, mas até agora nenhum exemplar foi encontrado com um altar no reverso. Isso nos leva a especular se Sócrates tinha realmente visto uma dessas moedas pessoalmente ou se nós só sabíamos delas por meio de fontes escritas como o Misopogon de Julian e, desse modo, teria realizado as suas afirmações com base em suposições. De qualquer modo, imagine se um dia encontrarmos uma moeda com Touro e altar no reverso...

    REF: 9240_castro